quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

Sete freguesias de Sintra anunciam acções judiciais contra a lei da reforma administrativa



As Juntas de Freguesia de Montelavar, São Martinho, Almargem do Bispo, Terrugem, Belas, Queluz e Monte Abraão vão avançar com acções judiciais para suspender os efeitos da lei que extingue 16 freguesias em Sintra, anunciaram hoje os autarcas socialistas em conferência de imprensa. Os processos terão início caso a lei da reforma administrativa seja promulgada pelo presidente da República, e os autarcas desafiam os presidentes de junta da Coligação Mais Sintra (PSD/CDS-PP) a aderir à iniciativa. [notícia no Actual Sintra, no Cidade Viva, no Jornal da Regiãono Notícias Grande Lisboa e na Rádio Ocidente]

10 comentários:

  1. Felicitem-se estes autarcas pela dignidade e esforço que fazem para proteger as suas populações, melhor dizendo, os habitantes das suas freguesias.
    Envergonhem-se aqueles que, seguindo pela arreata, votaram de uma forma nas suas freguesias (com populações a vê-los) e de outra forma na Assembleia Municipal.
    Sem classificação aqueles, que usando o conceito de "terra", ou passeando-se nas suas ambições, depois de tantos anos por cá usaram a cobardia de não definirem de que lado estavam.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem toda a razão, sr. Fernando Castelo. Mas olhe que há quem esteja na primeira fila a apoiar esses que refere (e bem!)e que nunca tiveram a CORAGEM de assumir uma posição clara nos momentos PÚBLICOS, cara a cara com os MUNÍCIPES, em que podiam (e deviam!) tê-lo feito!... Deve ser isso que alguns chamam de "coerência"... Um abraço.

      Eliminar
  2. Apesar de não ter estado presente, devido a compromissos anteriormente assumidos, o Executivo da Freguesia de Monte Abraão concorda com a posição tomada contra a extinção de freguesias do concelho de Sintra.

    ResponderEliminar
  3. Eduardo Duarte Casinhas11 de janeiro de 2013 às 10:35

    Um esclarecimento que se impôe.
    Não vou mais alimentar polémica com este esclarecimento, apenas para informar quem poderá eventualmente ter entendido que os Presidentes de Junta da Coligação Mais Sintra não quiseram participar numa reunião com os outros Presidentes de Junta.
    Na verdade fui convidado para uma reunião com Presidentes de Junta do Concelho (FOI ASSIM O CONVITE).
    De imediato informei que estaria presente.
    Outros Presidentes da Coligação Mais Sintra me informaram do mesmo convite(REUNIÃO COM OS PRESIDENTES DE JUNTA) e que se tinham disponibilizado para participar na referida reunião
    Posteriormente fui informado que nessa reunião também estaria presente a Plataforma SIMtra, trasmitindo esta informação aos mesmos, os quais me pediram para confirmar essa participação e caso ela se verificasse eu poderia transmitir em seu nome que os mesmos não estariam, presentes, pois o convite não mencionava a presença da Plataforma SIMtra, a qual nos merece toda a consideração, mas uma reunioão com os Presidentes é uma reunião com os Presidentes de Junta e não com outras pessoas ou entidades.
    Não percebendo porque no convite inicial não se tivesse informado que estaria também presente a Plataforma SIMtra, solicitei esclarecimento a quem me fez o convite , tendo sido confirmado essa presença.
    Perante este facto informei que estava mandatado pelos outros Presidentes de Junta da Coligação Mais Sintra para declinar o convite que inicialmente nos tinha sido formulado.
    Ponto Final.




    ResponderEliminar
  4. José Manuel da Silva Elias11 de janeiro de 2013 às 11:31

    Apoio, incondicionalmente esta tomada de posição por parte das freguesias envolvidas. No entanto acho que deveria ser feito um esforço para que todas as freguesias afectadas, tomassem uma posição unânime.
    Trata-se de facto de um problema nacional, concelhio, mas, nesta fase, é sobretudo das freguesias afectadas e são elas, a Anafre e mais ninguém que tem de defender os seus direitos. Se não fôr possível o consenso, penso que, nesse caso as restantes freguesias afectadas, devem tomar igual posição, actuando em paralelo.
    Esclareço que este meu comentário reflete apenas a minha opinião pessoal, sobre o assunto.

    ResponderEliminar
  5. Concordo, em absoluto, com estes dois últimos comentários. O convite era dirigido a todos os presidentes de JF e não fazia qualquer sentido estarem presentes elementos ligados a Plataformas. Nesse caso, como referem os meus colegas (autarcas de Freguesia), Casinhas e José Elias (e bem), também deveria estar presente a ANAFRE-Associação Nacional de Freguesias, essa sim, representante legal das freguesias portuguesas. É uma luta de freguesias contra a nova lei e não permitimos que alguém ou algum Partido tire daí dividendos políticos. Por mim, não aceito. Sabemos bem o que queremos e o que não queremos. Temos a ANAFRE a representar-nos e bem. Já há "plataformas" a mais pelo país fora. A minha freguesia (Monte Abraão) tem quem a represente e é associada da ANAFRE e eu própria também sou dirigente da ANAFRE e estou ao corrente do que tem sido feito contra a lei que quer fundir e/ou extinguir freguesias. Fátima Campos

    ResponderEliminar
  6. O meu anterior comentário foi por mim removido por estar incompleto.

    ResponderEliminar
  7. A Plataforma SIMtra foi constituída por pessoas ligadas ao PS, CDU e BE mas esteve SEMPRE aberta a todos quantos quisessem integrá-la, com ou sem partido. Creio que na luta contra a fusão ou extinção de Freguesias no nosso Concelho não há ninguém "a mais" - TODOS seremos poucos para esse combate. Na Plataforma não há o "protagonismo" de ninguém em especial, nem aparece ninguém a monopolizar o espaço mediático, nem a colocar-se na primeira fila para surgir destacado nas fotografias - trata-se de DEFENDER os interesses de Sintra e dos Sintrenses e isso tem sido feito ao longo do tempo e expresso em inúmeras actividades e iniciativas. Era o que faltava que alguém se considerasse "DONO" desta luta - porque ela é de TODOS os Sintrenses que estão contra a Lei!...

    ResponderEliminar

Os comentários devem observar as regras gerais de “netiqueta”. No âmbito da moderação em vigor, serão eliminadas mensagens ofensivas, difamatórias, xenófobas, pornográficas ou de cariz comercial.