terça-feira, 15 de outubro de 2013

Independentes queixam-se de "irregularidades" e "ilegalidades" nas autárquicas em Sintra

Depois de Marco Almeida, actual vice-presidente da Câmara de Sintra e candidato independente derrotado por apenas 1738 votos nas autárquicas de 29 de Setembro, ter denunciado alegadas irregularidades nas eleições, é agora a vez de António Barbosa de Oliveira, cabeça de lista do movimento "Sintra Paixão com Independência", anunciar que vai denunciar "ilegalidades" à Procuradoria-Geral da República."

O movimento independente de cidadãos vai apresentar nos próximos dias uma queixa com o objectivo de intentar uma impugnação do resultado eleitoral por via das inúmeras ilegalidades de gravidade anti-democrática que ocorreram durante o sufrágio de dia 29 de Setembro", explica António Barbosa de Oliveira através do Facebook.

O líder do movimento "Sintra Paixão com Independência", que obteve apenas 2,23% dos votos, afirma que não pretende "colocar em causa a vontade do Povo, desde que esta seja clara, transparente e que represente sem margem para dúvidas o verdadeiro resultado eleitoral", mas recusa calar-se perante eventuais irregularidades.

"Não seremos cúmplices mudos de diversas 'chapeladas' que ocorrem e ocorreram durante o último sufrágio autárquico e que a seu tempo denunciaremos de forma assertiva e efectiva", escreve o ainda presidente da Junta de Freguesia de Queluz, que exige "uma investigação criminal e uma recontagem dos votos" em Sintra.

"Lutaremos no limite da Constituição e dos valores democráticos pela verdade, não só pelos eleitores que votaram e viram os seus votos anulados mas sobretudo pela defesa da autenticidade da manifestação real da vontade do eleitorado", afirma. [notícia na Rádio Ocidente]

Notícias relacionadas:
'Marco Almeida apresenta queixa-crime por alegadas "irregularidades" em Sintra'
«Todos os votos têm de ser contados correctamente»

Sem comentários:

Publicar um comentário

Os comentários devem observar as regras gerais de “netiqueta”. No âmbito da moderação em vigor, serão eliminadas mensagens ofensivas, difamatórias, xenófobas, pornográficas ou de cariz comercial.