sábado, 11 de janeiro de 2014

Primeira “presidência aberta” de Basílio Horta anuncia obras e ouve queixas em Colares


Rui Santos e Basílio Horta recebem certificados da visita ao ponto mais ocidental da Europa Continental no posto de turismo do Cabo da Roca

A freguesia de Colares recebeu ontem a primeira “presidência aberta” de Basílio Horta (PS), que quis ver de perto alguns dos problemas das populações, ouvir as queixas e as muitas preocupações do presidente da junta, e apresentar as obras que a Câmara de Sintra já tem previstas. A maior, será uma nova rotunda no cruzamento da Senhora do Rio, no acesso à Praia Grande, onde a autarquia também quer ver resolvido o problema do parque de campismo, encerrado há anos por falta de condições de segurança.


Basílio Horta compromete-se a reanalisar o projecto para o parque de campismo da Praia Grande

Na conversa informal entre autarcas, técnicos da câmara e proprietários, Basílio Horta foi peremptório ao afirmar que aquela situação de abandono não pode continuar. “O que estiver de acordo com a lei, iremos autorizar imediatamente, o que não estiver, os senhores têm de alterar”, disse. O Plano de Ordenamento da Orla Costeira apenas prevê a construção de um parque de campismo naquele local, mas os “meios complementares de alojamento” previstos no projecto que se arrasta há uma década poderão extravasar o que é permitido construir.


Parque de estacionamento do Cabo da Roca vai ser alterado

Outra obra que deverá avançar a breve prazo será a reconfiguração do parque de estacionamento do Cabo da Roca, para poder acolher autocarros de turismo. Aqui, o presidente da câmara ficou surpreendido com a existência de um parque de estacionamento privado, propriedade do restaurante, e admitiu mesmo a possibilidade de expropriação daqueles terrenos. “Vamos estudar o que podemos fazer, porque é propriedade privada num sítio de interesse público”, disse.


Visita do Mercado da Praia das Maçãs, encerrado para obras até ao início de Maio

Houve também tempo para visitar o mercado da Praia das Maçãs, degradado desde o temporal de Janeiro de 2013, e para conhecer as obras que a Junta de Freguesia de Colares irá executar no local ao longo dos próximos quatro meses, período durante o qual o mercado funcionará em instalações provisórias no parque de estacionamento.


Visita às Azenhas do Mar, local onde a forte ondulação de segunda-feira também provocou estragos

Nesta primeira "presidência aberta", Basílio Horta passou ainda pela Praia Grande e pelas Azenhas do Mar para verificar a evolução dos trabalhos de limpeza dos estragos do temporal de segunda-feira, e para pedir ao Ministério do Ambiente que concretize “as obras de fundo” prometidas para o litoral do concelho. O autarca apela a “uma intervenção urgente nas arribas”, para resolver alguns problemas de acessibilidade e segurança, uma preocupação partilhada pelo presidente da junta, Rui Santos, eleito pelo movimento Sintrenses com Marco Almeida.


Visita às imediações da Escola Profissional Alda Brandão de Vasconcelos, onde é necessário reconstruir um muro de protecção e um passeio

Na véspera da visita a Colares, os quatro vereadores deste movimento repudiaram não ter sido convidados a integrar a comitiva, um “lapso, ou talvez não”, que consideram demonstrar “falta de cultura democrática” e um “desrespeito pela representação que milhares de sintrenses quiseram assegurar” a este movimento nas últimas eleições. O movimento liderado por Marco Almeida, ex-vice-presidente da câmara, recorda que elegeu o mesmo número de vereadores que o PS, partido para o qual perdeu as eleições por apenas 1700 votos, e foi a força política vencedora em Colares. [ver comunicado da Câmara de Sintra]

© Luís Galrão/Tudo sobre Sintra

Notícias relacionadas:
"Monstro" de vigilância costeira dificilmente sairá do do Cabo da Roca
'Basílio Horta quer intervenção “urgente” do Ministério do Ambiente nas arribas'
'Presidente da Câmara de Sintra inicia “presidência aberta” em Colares'

Sem comentários:

Publicar um comentário

Os comentários devem observar as regras gerais de “netiqueta”. No âmbito da moderação em vigor, serão eliminadas mensagens ofensivas, difamatórias, xenófobas, pornográficas ou de cariz comercial.