quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

STAL acusa Câmara de Sintra de "política de terror e ameaça aos trabalhadores"

A Direcção Regional de Lisboa do Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Administração Local e Regional (STAL) acusa a Câmara de Sintra de "apostar numa política de terror e ameaça aos trabalhadores". Em causa está a alegada divulgação pública de despachos relativos a processos disciplinares, alguns com a identificação dos visados, numa "inqualificável manobra de intimidação".

Para o STAL, a autarquia está a prosseguir "políticas terroristas que lembram os tempos negros do fascismo", apenas com o objectivo de "dar o exemplo e tentar fazer recuar os trabalhadores nas suas justas reivindicações", lê-se no comunicado divulgado ontem.

Em resposta, o gabinete de imprensa da Câmara de Sintra esclarece que a autarquia “tem assumido o rigor e a transparência como um dos princípios da sua actuação”, o que passa por “dar conhecimento dos despachos do presidente da câmara, onde se inclui a instauração de inquéritos.”

No entanto, a câmara “entendeu acolher as reservas apresentadas pelo sindicato, e passar a não divulgar o nome dos trabalhadores envolvidos nos referidos processos”, embora saliente que esta postura “não invalida que as decisões finais a tomar pelo executivo municipal, por voto secreto, constem das respectivas actas, as quais, como é sabido, são públicas.”

Sem comentários:

Publicar um comentário

Os comentários devem observar as regras gerais de “netiqueta”. No âmbito da moderação em vigor, serão eliminadas mensagens ofensivas, difamatórias, xenófobas, pornográficas ou de cariz comercial.