quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Cães da GNR procuram drogas em salas de aula a pedido de agrupamento de escolas de Sintra


© Luís Galrão/ARQUIVO

Os alunos do Agrupamento de Escolas Monte da Lua, que engloba a Secundária de Santa Maria, na Portela de Sintra, foram alvo de uma rusga da GNR nas salas de aula, com recurso a cães treinados para detectar drogas. A intervenção foi comentada nos últimos dias nas redes sociais e na blogosfera, e foi confirmada hoje ao Tudo sobre Sintra pela direcção do agrupamento.

“A pedido da direcção, decorreu, na passada segunda-feira, uma intervenção da divisão especial das forças de segurança do Programa Escola Segura. A acção visou sensibilizar a comunidade escolar para os problemas inerentes ao consumo de substâncias ilícitas, para os seus efeitos e consequências, tanto do ponto de vista da saúde, como do ponto de vista das suas consequências legais”, explicou o agrupamento.

A intervenção apanhou de surpresa os alunos e alguns encarregados de educação. "O polícia entrou na sala de aula sem avisar. E disse: «ninguém sai do lugar! mochilas no chão! E mãos em cima da mesa!». Depois esperámos uns 10 minutos, sem nos mexermos e sem dizer nada, havia colegas minhas assustadas, ficámos ali que tempos com as mãos em cima da mesa sem saber o que fazer. Depois entraram uns cães e cheiraram tudo”, relatou uma das alunas ao pai, Paulo Pinto, que partilhou o caso no blogue Jugular.

Segundo a mesma aluna, “lá fora, estavam várias carrinhas da polícia a revistar toda a gente (…) em todas as salas. E noutras escolas do agrupamento também.” O Tudo sobre Sintra questionou a direcção do agrupamento e a GNR sobre quais os resultados das rusgas, mas não obteve respostas. O agrupamento acrescenta apenas que “a intervenção decorreu conforme o previsto e sempre na presença de um elemento da direcção que acompanhou os agentes, cuja atitude foi de grande cordialidade e simpatia, explicando sempre previamente o objectivo da acção.”

Já o comandante do Subdestacamento Territorial de Sintra da GNR remeteu esclarecimentos para a direcção de comunicação da Guarda, que ainda não respondeu. No entanto, segundo o encarregado de educação Paulo Pinto, que entretanto actualizou o texto no Jugular, a direcção da escola terá esclarecido que “a quantidade de droga apreendida foi "maior" do que o previsto." Há também relatos no Twitter que revelam que vários alunos foram "apanhados com droga".

O Tudo sobre Sintra contactou também a Divisão de Sintra da PSP que, através do gabinete de imprensa, esclareceu não estar envolvida na acção, dado tratar-se de um agrupamento na área da responsabilidade da GNR de Sintra, nem ter realizado “qualquer intervenção nos contornos indicados em qualquer das escolas dentro da área de responsabilidade” da Polícia.

Notícia relacionada:
BE questiona Governo sobre "repressão policial" na Escola Secundária de Santa Maria

20 comentários:

  1. boa noite. Venho protestar: a citação "estavam várias carrinhas da polícia a revistar toda a gente (…) em todas as salas" está truncada e induz em erro. Não foi isso o que a minha filha me contou e não foi isso o que escrevi. Esqueceram-se do "lá fora" (ou seja, no exterior da escola), que inicia a frase. Cumps, Paulo Pinto

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pelo comentário. Podemos acrescentar o 'lá fora', embora não nos pareça que altere significativamente a informação daquele excerto. De qualquer forma, deixamos também aqui a frase original: "Lá fora, viemos depois a saber, estavam várias carrinhas da polícia a revistar toda a gente, o X foi revistado e foi assim em todas as salas. E noutras escolas do agrupamento também." (igualmente acessível via link incluído no texto)

      Eliminar
  2. obrigado. O Correio da Manhã de ontem noticiou ter-se tratado de uma "operação antidroga" da GNR, o que me parece algo muito diferente de uma campanha de sensibilização escolar (http://jugular.blogs.sapo.pt/ah-afinal-3855529).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Títulos do Correio da Manhã não devem ser levados à letra...

      Eliminar
    2. Consideram que fazer uma rusga com cães é uma campanha de sensibilização escolar? oh céus! Eu se tivesee um filho nessa escola não descansava enquanto não pusesse a direcção dessa escola em tribunal.
      Miguel Caldas

      Eliminar
  3. acho muito bem !!!!! evita situações mais complicadas de futuro!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Evita? como sabe? Eu a mim parece-me que não evita, pelo contrário, cria situações mais complicadas de futiro.
      Miguel Caldas

      Eliminar
  4. Enquanto aluna tenho a dizer que foi uma situação terrível mesmo, o agente que entrou na nossa sala disse-nos 'todos no lugar, mochilas no chão e mãos em cima da mesa', quando a minha professora lhe perguntou o que se passava respondeu-nos que não sabia, que não era da zona e assim ficámos, assustados e completamente 'à nora' durante 10-15 min até entrar um outro agente com um cão que se limitou a dizer que estavam à procura de drogas. Sei que na sala ao meu lado os alunos estavam a fazer teste e este teve de ser interrompido. Na minha opinião toda a situação foi uma estupidez.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. isto é uma grande estupidez,também sou aluna de uma escola do agrupamento e já entraram mais do que uma vez a meio de testes,e a resposta é sempre que estão à procura de estupefacientes e que o trabalho deve ser feito,isto tudo porque ser apanhado com substancias dentro da escola ganha uma sanção mais pesada do que se for na rua,com isto na minha opinião é para tentar extrair algum dinheiro,mas ao certo não sei o que eles pretendem com isto,completamente estupido.

      Eliminar
    2. Esta situação é completamente inadmissível numa escola. Vocês, alunos, deviam mexer-se, deviam fazer ouvir a vossa voz. Juntem-se, façam uma manifestação, chamem os media, denunciem a situação. A direcção da vossa escola é completamente louca. Vejam filme Zero de conduit do Jean Vigo

      Eliminar
    3. E já agora para além de todos esses protestos e indignações, podem sempre denunciar quem anda a consumir e a vender droga nas escolas e já agora alguns de vocês não a comprarem nem a levarem.

      Eliminar
  5. Para que sera que é essa 'droga' toda.. ira toda para o lixo ?? nao nao

    ResponderEliminar
  6. Boa tarde, li os comentátios e senti necessidade de comentar também. sou aluna dessa escola e nessa segunda feira também tanlmbém tivemos a policia e o cão presente na nossa sala e a situaçao nao foi nada como descrita. os policias foram muito educados pediram primeiro autorizaçao à prifessora, enquanto o cão estava a cheirar as malas os policias iam-nos dando informações e explicações e até chegaram a fazer uma piada ou outra.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa tarde. Qual é a diferença de uma sala de aula ser sujeita a ser farejada por cães por pessoas educadas ou pessaos mal-educadas. Isso é uma falsa questão. É simplesmente inadmissível, e quem não vê isto é que tem uma grande falta de educação cívica.
      Miguel Caldas

      Eliminar
  7. Eu sou aluna da escola e a verdade é que a rusga não fez muito sentido na minha opinião, no entanto, não tenho razão de queixa dos agentes da autoridade, visto que os mesmo quando foram à sala de aula da minha turma nos explicaram o que estava a acontecer e foram muito educados.

    ResponderEliminar
  8. "A acção visou sensibilizar a comunidade escolar"? Sensibilizar ou intimidar e reprimir? Não é admissível que a polícia entre numa escola, muito menos numa saula de aula, com ou sem cães. A escola não pode ser um local de repressão, de intimidação ou de rusga. Os estudantes não podem ser tratados como suspeitos de crimes. É preocupante a passividade destes alunos e dos seus encarregados de educação. Não é relevante que os agentes sejam mais ou menos educados, o que é relevante é que a comunidade escolar aceite a presença da polícia dentro de uma escola. É gravíssimo que os professores se demitam de uma das valências do seu trabalho e chamem a polícia para intimidar os seus alunos. Algo está muito errado. Esta notícia é muito grave e um sinal de que os valores da democracia se perderam na bruma. A escola não é a rua, nem a prisão, mas cada vez mais disso se aproximará se os estudantes e as famílias não se insurgirem na defesa dos valores da democracia e da liberdade. Estudei e ensinei nesta escola. Tenho vergonha dos professores e dos alunos que perderam a noção dos direitos mais elementares e do que é suposto uma escola ser.

    ResponderEliminar
  9. Já na minha altura faziam isso, continua na mesma. É mais fácil arranjar o papão da droga dos deliquentes etc do que puxarem pela cabeça e dar meios aos alunos de se organizarem e desenvolverem eventos tipo rádios, concertos ou actividades ludicas.

    ResponderEliminar
  10. Muito bom serviço, parabens por esta iniciativa... Limpar o lixo que há nas escolas.. Deviam fazer mais ações destas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. hahahahahhahahahahahhahahahhahaha

      Eliminar
  11. Acho muito mais traumatizante para um adolescente ter uma pandilha de GNRs e seus canídeos a entrar-lhes pela sala de aula dentro do que um encontro com um traficante de haxixe dentro da escola.
    Tenho uma filha numa escola deste agrupamento e podem ter a certeza que preferia saber que ela tinha fumado um charro do que saber que a sua sala de aula tinha sido invadida pela polícia.
    Acho inacreditável que se tenha chegado a este ponto.
    O problema está a montante: os pais estão desligados dos filhos, os agentes da escola estão todos desligados uns dos outros e depois achamos que evitamos os problemas chamando a autoridade. Isto é de loucos.

    ResponderEliminar

Os comentários devem observar as regras gerais de “netiqueta”. No âmbito da moderação em vigor, serão eliminadas mensagens ofensivas, difamatórias, xenófobas, pornográficas ou de cariz comercial.