terça-feira, 21 de abril de 2015

Palácio Nacional de Queluz acolhe biblioteca dedicada exclusivamente à Arte Equestre


© PSML/Wilson Pereira

A Parques de Sintra (PSML) inaugura amanhã, no Palácio Nacional de Queluz, a "única biblioteca nacional dedicada exclusivamente à Arte Equestre e aberta ao público". Na "Biblioteca de Arte Equestre D. Diogo de Bragança, VIII Marquês de Marialva" será possível consultar publicações e "observar 165 gravuras, duas pinturas (um retrato da família dos 3ºs Duques de Lafões e um de D. Pedro Vito de Meneses Coutinho, 6º Marquês de Marialva), uma casaca de cavaleiro tauromáquico e uma réplica de cavalo ajaezado com gualdrapas e xairel de finais do século XVIII."

Segundo a empresa, "com a aquisição e abertura desta biblioteca, que representa um investimento total na ordem dos 468.750 euros, o público em geral, e em particular os académicos e investigadores, passam a ter acesso a 1400 títulos (cerca de 2000 publicações), alguns bastante raros, relacionados com a Arte Equestre."


© PSML/Wilson Pereira

A Parques de Sintra explica que "a colecção foi inventariada pela casa leiloeira Cabral Moncada e inclui 800 títulos europeus (entre os quais 16 manuscritos), desde o século XVI ao XX; 294 livros e folhetos dos séculos XIX e XX; 322 livros ilustrados da 2ª metade do século XX; e cerca de 165 gravuras. Entre estes, destacam-se um exemplar raro da obra de Johannes Stradanus, de ca. 1578; dois títulos de autores portugueses; e uma das 23 edições monumentais habitualmente consideradas como parte do Cabinet du Roi, que celebram os feitos do reinado de Luís XIV.

D. Diogo de Bragança (1930-2012) era um exímio cavaleiro, especialista em Arte Equestre, que toda a vida adquiriu documentos sobre este tema, que ele próprio abordou em diversas publicações. Os herdeiros propuseram a venda da colecção à Parques de Sintra, por desejarem que se mantivesse associada à Escola Portuguesa de Arte Equestre (EPAE) e ao estudo da Arte Equestre."


© PSML/Wilson Pereira

"O exame dos documentos que integram a biblioteca permitiu facilmente concluir que mantê-la como um todo, disponibilizando-a à investigação sobre Arte Equestre, era quase um dever nacional. Nesta perspectiva, com a concordância dos seus accionistas, e apoios da Fundação Calouste Gulbenkian e do Banco Português de Investimento (BPI), a Parques de Sintra adquiriu esta biblioteca, desconhecida do público em geral, em Fevereiro de 2014, pelo valor de 380 mil euros.

De seguida, procedeu à recuperação de três salas no Palácio Nacional de Queluz, para a albergar da forma mais apropriada, com um investimento de 57.250 euros (incluindo recuperação das salas e aquisição de mobiliário). Deste modo a Biblioteca ficará próxima das instalações da EPAE e constituirá também mais um motivo de atracção de visitantes ao Palácio. Representará igualmente uma mais-valia para a missão da Escola na divulgação da Arte Equestre Portuguesa e do cavalo lusitano, bem como na formação regular de cavaleiros.

Vídeo dos trabalhos de execução do projecto:


Encontram-se já em curso acções de conservação e restauro de muitos títulos e gravuras, bem como o tratamento documental com vista à elaboração de um catálogo informatizado que em breve estará disponível online no website da Parques de Sintra (restauros de gravuras/molduras, e software implicaram um investimento de 31.500 Euros). Posteriormente, o catálogo da colecção será integrado no maior catálogo colectivo das Bibliotecas portuguesas, coordenado pela Biblioteca Nacional.

Em paralelo com a disponibilização da Biblioteca de Arte Equestre, também o acervo bibliográfico do Palácio Nacional de Queluz ficará disponível para consulta, bem como os cerca de 20 exemplares cedidos pela Companhia das Lezírias. A biblioteca estará a partir de agora disponível de segunda a sexta-feira, para qualquer visitante. Para consulta e leitura é necessária marcação prévia." [Fonte: PSML] [notícia no Jornal da Região e no Sapo]

Sem comentários:

Publicar um comentário

Os comentários devem observar as regras gerais de “netiqueta”. No âmbito da moderação em vigor, serão eliminadas mensagens ofensivas, difamatórias, xenófobas, pornográficas ou de cariz comercial.