sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Câmara e escolas de Sintra desistem da manifestação frente ao Ministério da Educação

A Câmara de Sintra e os directores das escolas ainda com professores por colocar já não irão manifestar-se hoje à tarde em Lisboa, frente ao Ministério da Educação. A decisão foi tomada ontem pelos directores e pelas associações de pais, após uma reunião na Direcção-Geral da Administração Escolar. “A informação que temos dos directores dos agrupamentos é muito positiva, pois entendem que a passagem do processo de colocação dos professores directamente para as escolas vai permitir resolver o problema em poucos dias, pelo que não se justifica uma manifestação”, explica fonte da autarquia.

A hipótese de protesto em Lisboa foi avançada na terça-feira pelo próprio presidente da câmara, após reunir com as escolas e as associações de pais, numa altura em estavam ainda por colocar 149 professores em escolas do concelho com contrato com autonomia e consideradas Territórios Educativos de Intervenção Prioritária (TEIP).

Esta situação tem preocupado Basílio Horta, que considera que o ministro Nuno Crato já devia ter-se demitido. "Não podemos, no segundo maior concelho do país, com mais de 400 mil pessoas e milhares de famílias afectadas, olhar para isto como se nada fosse. O Ministério da Educação não pode tratar Sintra como trata o Mogadouro. Pedimos para ser recebidos pelo ministro e até hoje nada. Se estivesse no lugar dele já lá não estava sentado", reclamou há dias o autarca. [notícia no Jornal da Região]

Notícias relacionadas:
Câmara e escolas sem professores ameaçam manifestar-se na sexta em Lisboa
'Dupla colocação de horários deixa docentes sem trabalho'
Basílio Horta reúne na terça-feira com escolas onde faltam 167 professores
'Pedida demissão de ministro da Educação devido à falta de 167 professores em Sintra'

Sem comentários:

Publicar um comentário

Os comentários devem observar as regras gerais de “netiqueta”. No âmbito da moderação em vigor, serão eliminadas mensagens ofensivas, difamatórias, xenófobas, pornográficas ou de cariz comercial.