sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

Alagamares contesta "descaracterização do Hotel Central" no centro histórico de Sintra


Aspecto da estrutura metálica aparafusada à fachada sob os toldos instalados anteriormente (foto da Alagamares)

A instalação de uma esplanada coberta na fachada do antigo Hotel Central, na Vila de Sintra, onde funciona actualmente o Central Palace Hotel, está a ser alvo de críticas nas redes sociais e levou a que a Alamagares protestasse publicamente contra as obras. Esta associação cultural avança que já pediu esclarecimentos à Câmara de Sintra e à Comissão Nacional da UNESCO, nomeadamente “sobre como foi possível a execução de tal obra em pleno centro histórico, zona integrada na área classificada como Património da Humanidade em 1995, e igualmente a menos de 50 metros de pelo menos dois monumentos classificados, como o Palácio da Vila e a igreja de São Martinho.”

Para a Alagamares, “a instalação das estruturas metálicas é tão ou mais grave porquanto são fixadas/pregadas/aparafusadas em revestimentos azulejares antigos” em dois edifícios, o Hotel Central e parte do Café Paris, que “são dos pouquíssimos exemplos de fachadas totalmente azulejadas existentes em Sintra, no primeiro caso com o designado padrão ‘Ferradura’, e no segundo com um padrão vegetalista simples, ambos produzidos pela Fábrica Viúva Lamego nos finais do século XIX e início do século XX.”


Aspecto da esplanada em Maio de 2013 (foto divulgada no Facebook pela empresa Silva Carvalho Restauração)

Na missiva dirigida à Direcção Municipal de Urbanismo, a associação pede que “sejam tomadas medidas tendentes a repor a situação anterior e punir os infractores”, ou, caso a obra tenha sido licenciada, “solicita a reapreciação e intervenção com vista a evitar a descaracterização da Vila de Sintra e mais um atentado ao seu centro histórico, depois da inenarrável aprovação do Hotel Tivoli, nos anos 80, da remoção da cúpula do Café Paris ou dos abusos na ocupação da via pública, na profusão de letreiros dissonantes e de antenas de televisão cacofónicas.”

A situação foi denunciada inicialmente no dia 19, no blogue Retalhos de Sintra, da autoria de Fernando Castelo que, “indignado”, voltou ao tema no dia 22, com novas fotos da obra em curso. O Tudo sobre Sintra também pediu esclarecimentos à autarquia ao final da tarde de segunda-feira (dia 22), mas ainda não obteve qualquer resposta.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Os comentários devem observar as regras gerais de “netiqueta”. No âmbito da moderação em vigor, serão eliminadas mensagens ofensivas, difamatórias, xenófobas, pornográficas ou de cariz comercial.