sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

BE pede suspensão do Plano de Pormenor da Abrunheira Norte até à revisão do PDM

O Bloco de Esquerda desafia a Câmara de Sintra a “suspender” a elaboração do Plano de Pormenor da Abrunheira Norte (PPAN), conhecido como "Cidade da Sonae", e de “todos os planos que impliquem construção em áreas desocupadas”, até que esteja concluída a revisão do Plano Director Municipal (PDM).

O anúncio segue-se às recentes declarações do presidente da câmara, que afirmou que a versão do PPAN que esteve recentemente em consulta pública  irá ter alterações e, em entrevista ao jornal PÚBLICO, disse mesmo que “nada será aprovado se tiver a consciência de que a população está contra e se não acreditar que vai melhorar a situação na zona”.

Apesar de considerar tratar-se de um desenvolvimento positivo, fruto da “cidadania activa” demonstrada durante o período de discussão pública, o BE alerta que as declarações, que foram interpretadas pelos moradores como um recuo da autarquia, “são vagas” e, por isso, defende a suspensão da elaboração deste e de outros planos urbanísticos.

Para o BE, esta opção “permitirá menos condicionalismo no debate estratégico sobre o território e na adopção de medidas para sua protecção. Neste período, o recurso a Planos de Pormenor deverá ser limitado a casos muito específicos, como a requalificação e ordenamento de áreas Urbanas (de génese legal ou não) ou das zonas industriais existentes.”

Em comunicado, o BE Sintra promete também “estar atento aos desenvolvimentos do processo, para que as alterações anunciadas não se traduzam em simples mudanças cosméticas, destinas apenas a aliviar a contestação generalizada a que o PPAN foi sujeito.”

A CDU, por seu lado, considera igualmente que o “recuo” da Câmara de Sintra “corresponde ao resultado do combate encetado pela população do concelho”, que mostrou “o seu desagrado com um projecto que apenas pretende viabilizar a chamada ‘Cidade da SONAE’", um empreendimento que também foi já criticado pelos comunistas.

O projecto submetido a consulta pública prevê, entre outros, a construção de uma grande superfície comercial de mais de 37 mil metros quadrados, dois hotéis, uma clínica de cinco andares, e dois parques urbanos, numa área de 70,5 hectares junto à Abrunheira, junto ao nó do IC19 com a A16. A proposta é considerada excessiva pelos moradores das freguesias mais afectadas, que constituíram um movimento informal que já juntou mais de duas mil assinaturas numa petição contra o empreendimento.

Notícias relacionadas:
'Basílio Horta diz que ainda não está nada decidido sobre novo centro comercial'
Basílio Horta assegura que a "Cidade da Sonae” não será aprovada "tal como está" no projecto
BE contesta "pressão imobiliária" prevista no PPAN
'Movimento de cidadania contra construção de área comercial junto ao IC19'
Mais de 1800 pessoas já disseram não à construção da ‘Cidade da Sonae’ na Abrunheira

Sem comentários:

Publicar um comentário

Os comentários devem observar as regras gerais de “netiqueta”. No âmbito da moderação em vigor, serão eliminadas mensagens ofensivas, difamatórias, xenófobas, pornográficas ou de cariz comercial.